Servidores de São Caetano continuam apreensivos sobre possível mudança de plano de saúde

Colaboradores da Prefeitura estão inquietos com a possibilidade de troca do plano de saúde atual

Apesar da licitação não ter sido encerrada, denúncias e indecisão permeiam cenário atual

Após a publicação da matéria sobre a possível troca do plano Biovida no atendimento aos servidores de São Caetano do Sul, o cenário continua o mesmo e causa apreensão entre os cidadãos. O jornal teve acesso a algumas denúncias, referentes à escolha da nova empresa através da licitação e, para proteção das fontes, não citaremos nomes.


De acordo com uma fonte: “A tal empresa que concorre na licitação não é idônea: em pesquisas não é possível achar membros de direção para responder sobre acusações, como por exemplo, um hospital em Santo André que não tem condições de atender devido à falta de limpeza e um hospital credenciado em São Caetano que não tem centro cirúrgico em funcionamento”.


Entre os colaboradores da Prefeitura, existe o sentimento de perda, já que, pela primeira vez, a maioria aprova o plano de saúde atual. “Temos pesquisas de satisfação que apontam contentamento de 80% das pessoas atendidas e esse é um número que não pode ser deixado de lado, nem durante uma licitação. Aliás esse é um dos dados que deveria ser pontuado também, pelas autoridades, ao pensar em trocar o plano de saúde. Vale lembrar que, como foi falado na outra matéria, a possível empresa cotada para a troca do plano registra acúmulo de reclamações na Agência Nacional de Saúde e no portal Reclame Aqui. Fizemos investimentos em São Caetano e na rede credenciada para atender da melhor maneira os servidores, como fica isso? A empresa que realmente se preocupou com a excelência em qualidade e atendimento humanizado aos funcionários da Prefeitura pode ser colocada de lado dessa forma? Não aceito isso”, enfatiza Carlos Alberto de Almeida Campos, presidente da Biovida.


Segundo a Assessoria de Comunicação da Prefeitura, ainda não há vencedor na licitação, já que a mesma não foi findada e estão correndo documentos para aprovação final. Fato é: o desespero e apreensão tomaram conta da vida dos servidores, que já se sentiram deixados de lado anos atrás. “Não queremos voltar para a época em que o plano que tínhamos era motivo de piada. Sofremos inclusive por dois anos sem plano nenhum e agora que aprovamos o atual queremos fazer um movimento para que ele continue”, fala S.L.


“Minha mãe pela primeira vez na vida recebeu o atendimento que merecia. Ficou internada dias no Hospital Santa Ana e teve toda assistência para enfrentar um problema que achamos que era grave. Passou por vários exames, até caros, todos cobertos pela Biovida: meu irmão que não mora aqui não acreditou quando viu que passamos mais de vinte dias entre internação, exames e consultas sem nenhum tipo de impedimento e sendo muito bem atendidos. Graças a Deus hoje ela está em casa, mas eu estou sem dormir. Se o plano for trocado mesmo como ficamos? Me pergunto se as autoridades envolvidas não tem sensibilidade com a população”, fala M.D.

Por Laura Leite

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*